Além de todos os credos, maneirismos e crenças... Somos irmãos, e todos nós estamos na mesma barca... A Barca Celestial...
Nave Mãe Terra.

sábado, 22 de dezembro de 2012

Joãozinho Trinta e o Novo Mito do Carnaval






Ele Istaurou o Novo Mito do Carnaval.
Acreditava no Brasil!...
 Sabia da Universalidade do Poder da Alegria.
Semeou Sonhos. Seus Desfiles eram Iniciáticos e Revolucionários. Um Mestre que vivia em Dois Mundos.
Jõão levava a mensagem da união de todas as etnias atravéz da Missigenação Brasileira e dizia, que o Poder da Alegria, era a Nova Energia do Futuro.
Abaixo, um texto que resume a trajetória de suas criações.

 http://www.terra.com.br/istoegente/238/reportagens/gente_fora_da_serie_02.htm

Com o enredo que escolhera, Joãosinho ganhou o Carnaval de 1976. Repetiria o feito nos dois anos seguintes, tornando-se o único carnavalesco a conquistar, até hoje, cinco títulos seguidos do Carnaval carioca. Na Beija-Flor, ainda ganharia os Carnavais de 1980 e 1983 – este o último desfile realizado na Avenida Marquês de Sapucaí antes da construção do Sambódromo no local –, até que a histórica ligação da escola com o governo militar começaria, na opinião de Joãosinho, a prejudicar a agremiação.
A partir de 1984, a Beija-Flor não ganhou mais desfile algum sob o comando de Joãosinho Trinta. E o carnavalesco tem sua explicação para o jejum: “Junto com o Leonel Brizola (que retornou do exílio em 1979 e assumiu o governo do Rio de Janeiro em 1983) voltou todo o pessoal da esquerda, que me encontrou na Beija-Flor sem saber que eu era lá do Salgueiro”. Sem qualquer responsabilidade sobre os antigos enredos da escola em favor da ditadura, Joãosinho levou a fama. “Fui claramente perseguido”, afirma.
O carnavalesco cita pelo menos dois desfiles que, na sua opinião, valiam títulos, mas só lhe deram vice-campeonatos: O Mundo É uma Bola, de 1986, e Ratos e Urubus, de 1989, este considerado até hoje uma das maiores apresentações da história do Carnaval carioca, quando Joãosinho levou a pobreza para a Sapucaí. O polêmico desfile trazia ainda um Cristo em trapos, que cruzou a avenida coberto por causa da reação da Igreja. “Não fiquei tão decepcionado porque Ratos e Urubus explodiu no Brasil inteiro e até no Exterior”, justifica Joãosinho. O enredo era uma resposta às críticas que recebia por só valorizar o luxo em seus desfiles. “Também falava da decadência do Rio que vinha acompanhando durante anos. Muita gente hoje ainda vai dizer que quem ganhou aquele Carnaval fomos nós”, afirma. A Beija-Flor perdeu por meio ponto o título de 1989 para a Imperatriz Leopoldinense.
Luiz Carlos Leite/ AE


Em 1989, na Beija-Flor, com o enredo Ratos e Urubus, considerada até hoje uma das maiores apresentações da história, quando Joãosinho levou a pobreza para a Sapucaí. O polêmico desfile trazia ainda um Cristo em
trapos, que cruzou a avenida coberto por causa da reação da Igreja.



Tasso Marcelo/ AE

 Em 1997 surpreende a todos com o Abre Alas todo Preto.
Campeão pela Viradouro. 






Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Oxumarê: Divindade Despertadora do Novo Mito

Oxumarê: Divindade Despertadora do Novo Mito